Terça-feira, 28 de Março de 2017

Buscar   OK
Matérias

A história do feriado de 9 de julho.


Data que é motivo de orgulho para os paulistas marca o início do levante armado do estado contra o governo de Getúlio Vargas em 1932



No dia 09 de julho, São Paulo comemora a Revolução Constitucionalista de 1932. A data, transformada em feriado civil em 1997, marcou o início de um dos principais episódios da história do estado. Sua importância está evidente em toda a cidade: duas avenidas carregam nomes que remetem à revolta (9 de julho e 23 de maio) e monumentos como o Obelisco do Ibirapuera prestam homenagens ao mártires da chamada "Guerra Paulista." A Revolução foi um levante armado da população de São Paulo que, entre os meses de julho e outubro de 1932, combateu as tropas do governo federal. A reivindicação central do movimento era a destituição do governo provisório de Getúlio Vargas, que dois anos antes assumira o poder no país, fechando o Congresso Nacional e abolindo a Constituição. O levante é chamado de "constitucionalista" porque São Paulo pedia a promulgação de uma nova constituição federal. A empreitada militar paulista foi mal sucedida: as tropas do estado perderam a guerra, sufocadas pela superioridade numérica e técnica do exército brasileiro. Mas sua luta não foi completamente em vão: dois anos depois, em 1934, o governo central promulgava uma nova constituição, mostrando que a revolta conseguira, ainda que tardiamente, atingir seu principal objetivo declarado. Mas o impacto da Revolução de 32 não se restringiu apenas ao campo da política: o levante foi também um dos principais marcos da formação da identidade paulista. Apoiada na ideia de que o estado é o "carro chefe" da nação, as elites locais aproveitaram o sentimento de união gerado pela revolta para reforçar seu discurso sobre o suposto "espírito" do povo de São Paulo. Dessa forma, elementos que vinham sendo construídos havia anos - como as ideias de pioneirismo e nobreza paulista - foram reforçados pelo poder ideológico da Revolução. Desde seus primórdios, essa "paulistanidade" esteve impregnada pelo discurso racista. O levante de 32 serviu para reforçar essas ideias, elevando certas populações à categoria de "povo paulista" - como os imigrantes italianos, até então discriminados - e rebaixando outros grupos, como os afrodescendentes e os migrantes do Norte e Nordeste do país. Os historiadores Marco Cabral dos Santos e André Mota, no livro São Paulo 1932 - memória, mito e identidade recentemente lançado pela Alameda Editorial, deram especial ênfase ao papel da medicina na construção desse discurso: além de políticos e intelectuais do período, foram médicos e biólogos que tentaram justificar pela ciência a inferioridade racial de negros e nordestinos. Atualmente, a Revolução Constitucionalista de 1932 continua sendo um tema controverso da historiografia nacional. Há um enorme número de livros e artigos que discutem o assunto, e a memória da "Guerra Paulista" continua em disputa pelos mais diversos grupos. 


Imagens feita na casa do Sr.João Gabriel (IN MEMÒRIAN) no Distrito de Ururai, Município de Santa Adélia em 2008    







<
UNIVERSO AGRO
Hora Certa
17 99758 5719


VOLTAR AO TOPO
Estatísticas
Visitas: 1238227 Usuários Online: 190


Copyright (c) 2017 - WEB TV SA / INFORMAÇÃO / ENTRETENIMENTO - Todos os direitos reservados