Terça-feira, 20 de Novembro de 2018
POLÍTICA

Quem são os treze candidatos à Presidência da República em 2018

Disputa pelo Palácio do Planalto tem maior número de candidatos desde 1989, quando foram 22 os presidenciáveis

Publicada em 30/09/18 às 13:33h - 63 visualizações

por WEB TV SA / INFORMAÇÃO / ENTRETENIMENTO


Compartilhe
   

Link da Notícia:

Os candidatos à Presidência da República (TSE/Divulgação)  (Foto: WEB TV SA / INFORMAÇÃO / ENTRETENIMENTO )
Por João Pedroso de Campos


Com treze candidatos, a corrida pelo Palácio de Planalto nas eleições de 2018 é a mais concorrida e pulverizada desde 1989, a primeira da redemocratização, quando foram 22 os presidenciáveis.

Além de PT e PSDB, que polarizam as disputas pelo Planalto desde 1994, a eleição de 2018 terá um candidato do MDB após 24 anos, um do PDT, depois de doze anos, e a estreia da Rede Sustentabilidade, criada em 2015, no cenário nacional.

Também estarão representados nas urnas com cabeças de chapa o PSOL, que vem lançando candidatos à Presidência em todos os pleitos desde 2006, PSL, PPL e PSTU, além de partidos que aderiram à tendência de abolir siglas como nome: Podemos, Novo, Democracia Cristã e Patriota.

Veja abaixo quem são os candidatos à Presidência:


Capitão da reserva do Exército, o deputado federal Jair Bolsonaro (PSL-RJ), de 63 anos, é o representante do conservadorismo e da direita com maior potencial eleitoral na disputa deste ano. Bolsonaro lidera as pesquisas de intenção de voto à Presidência com 26% da preferência, conforme pesquisa Datafolha divulgada em 14 de agosto.

Depois de três negociações frustradas pela indicação de seu companheiro de chapa  com o senador Magno Malta (PR-ES), a advogada Janaina Paschoal e o “príncipe” Luiz Philippe de Orleans e Bragança —, formou-se uma chapa puro-sangue militar, com o general da reserva Hamilton Mourão, de 65 anos, como vice de Bolsonaro. O partido de Mourão, o nanico PRTB, é o único aliado do candidato do igualmente diminuto PSL na eleição.


O ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad foi o escolhido pelo PT para substituir o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva como candidato do partido ao Palácio do Planalto. Condenado em segunda instância na Operação Lava Jato a 12 anos e 1 mês de prisão e detido desde abril em Curitiba, Lula teve o registro de candidatura negado pelo TSE com base na Lei da Ficha Limpa no final de agosto. Haddad, que havia sido registrado como candidato a vice-presidente na chapa petista, tem 13% das intenções de voto, de acordo com o Datafolha.

O PCdoB, aliado histórico do PT em eleições presidenciais, terá a deputada estadual gaúcha Manuela D’Ávila como vice na chapa de Fernando Haddad. Manuela retirou sua candidatura à Presidência no início de agosto e desde então aguardou pela definição da situação eleitoral de Lula.

O ex-ministro e ex-governador do Ceará Ciro Gomes, de 60 anos, está de volta à disputa pela Presidência após dezesseis anos. Filiado ao PDT, depois de passar por seis partidos, Ciro havia concorrido ao Planalto em 1998 e 2002, pelo PPS, e não chegou ao segundo turno em nenhuma das duas ocasiões. Com 13% das intenções de voto conforme o Datafolha, o pedetista pode ter sua candidatura “esvaziada” à esquerda, sobretudo no Nordeste, com a confirmação de que Fernando Haddad é o candidato apoiado por Lula.

Aliado apenas ao nanico Avante  o PSB, que ele cortejava, declarou-se neutro, em acordo com o PT —, Ciro Gomes encabeça uma chapa pura do PDT. Sua vice é a senadora Kátia Abreu (TO), de 56 anos, que tem trajetória parlamentar conservadora e ligada ao agronegócio. Ela já passou por DEM, PSD e MDB, do qual foi expulsa por criticar o governo de Michel Temer.

Governador de São Paulo por quatro vezes, Geraldo Alckmin (PSDB), de 65 anos, disputa pela segunda vez a Presidência da República  ele foi derrotado por Lula em 2006, quando teve menos votos no segundo turno do que no primeiro.

O tucano tem 9% da preferência, segundo o Datafolha, e aposta no amplo arco de alianças que costurou para crescer nas pesquisas e chegar ao segundo turno. Alckmin recebeu o apoio dos cinco que compõem o chamado Centrão (PP, DEM, PRB, PR e Solidariedade), além de PTB, PPS e PSD, e terá cerca 40% do tempo da propaganda eleitoral em rádio e TV. Sua vice, avalizada pelo Centrão, é a senadora Ana Amélia (PP-RS), de 73 anos.

Em sua terceira tentativa de chegar à Presidência  foi derrotada ainda no primeiro turno em 2010 e 2014 —, a ex-ministra e ex-senadora Marina Silva(Rede), de 60 anos, disputa a primeira eleição ao Palácio do Planalto liderando a Rede Sustentabilidade, partido que ela idealizou e ganhou vida em 2015. Nos pleitos anteriores, ela estava filiada a PV e PSB, respectivamente.

Apesar do chamado “recall” das eleições anteriores, Marina aparece com apenas 8% das intenções de voto, conforme o mais recente Datafolha. Seu vice é o médico Eduardo Jorge, de 68 anos, filiado ao único partido aliado à Rede de Marina Silva, o PV. Jorge disputou a Presidência em 2014.

Ex-governador do Paraná e senador em terceiro mandato, Alvaro Dias(Podemos), de 73 anos, concorre à Presidência pela primeira vez. Apostando no discurso de “refundar a República” e na promessa de que convidará o juiz federal Sergio Moro para ser seu ministro da Justiça, Dias tem como principal força o sul do país. Pouco conhecido nas demais regiões, o senador tem 3% da preferência no país, segundo o Datafolha.

O vice de Alvaro Dias é o ex-presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) Paulo Rabello de Castro (PSC), de 69 anos. Além do partido de seu companheiro de chapa, a coligação encabeçada por Dias inclui os nanicos PRP e PTC.

Depois de 24 anos, o MDB voltará a ter um candidato à Presidência da República. O nome escolhido pelo partido, um neoemedebista, é o do ex-presidente do Banco Central e ex-ministro da Fazenda Henrique Meirelles, de 72 anos, filiado ao partido em abril.

Em campanha, Meirelles terá como principal obstáculo sua ligação com o impopular presidente Michel Temer, reprovado por 82% da população, conforme o Datafolha, e de cujo governo ele foi ministro entre maio de 2016 e abril de 2018. Com 3% das intenções de voto no Datafolha, Meirelles tentará, por outro lado, ressaltar que foi o economista escalado tanto por Lula quanto por Michel Temer para postos-chave em momentos delicados da economia. Aliado apenas ao nanico PHS, o ex-ministro terá como vice o ex-governador do Rio Grande do Sul Germano Rigotto (MDB), de 68 anos.

Ex-executivo dos bancos Unibanco e Itaú-BBA, o carioca João Dionisio Filgueira Barreto Amoêdo, 55 anos, fundou o Partido Novo em 2011 e disputa a Presidência da República pela primeira vez. Com um discurso liberal e favorável a privatizações, Amoêdo é o mais rico entre os treze presidenciáveis – ele declarou ao TSE um patrimônio de 425 milhões de reais.

Com apenas cinco segundos no horário eleitoral e sem direito a participar de debates na TV aberta, João Amoêdo aposta na campanha via redes sociais para se apresentar ao eleitor e crescer nas pesquisas de intenção de voto. Para isso, ele disponibilizou 120.000 reais mensais ao impulsionamento de conteúdos seus no Facebook. Conforme o mais recente Datafolha, o candidato do Novo tem 3% das intenções de voto. Seu vice é o cientista político Christian Lohbauer, de 51 anos.

O líder do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST), Guilherme Boulos, de 36 anos, mantém a tradição do PSOL em lançar candidatos à Presidência da República desde que o partido foi criado, em 2004, a partir de dissidências do PT. Antes dele, concorreram pela legenda Heloísa Helena, em 2006, Plínio de Arruda Sampaio, em 2010, e Luciana Genro, em 2014.

Com 1% no Datafolha, Boulos é o cabeça de uma chapa puro-sangue psolista, que tem a líder indígena Sônia Guajajara, de 44 anos, como vice.






Deixe seu comentário!

ATENÇÃO:Os comentários postados abaixo representam a opinião do leitor e não necessariamente do nosso site. Toda responsabilidade das mensagens é do autor da postagem.







Nosso Whatsapp

 17 99758 5719 / / / 99722 6823

Visitas: 1685770
Usuários Online: 38
Copyright (c) 2018 - WEB TV SA / INFORMAÇÃO / ENTRETENIMENTO - Todos os direitos reservados